RELEMBRANDO NEMO

José Fernandes de Lima

O filme Procurando Nemo, lançado em 2003, fez um enorme sucesso. Ganhou o Oscar de Melhor Filme de Animação, foi o segundo filme de maior bilheteria do ano e faturou mais de 870 milhões de dólares.

A história trata de um peixe palhaço (nome científico: Amphiprion ocellaris) chamado Nemo, que depois de perder a mãe e os irmãos foi criado pelo pai superprotetor.

Um belo dia, numa das primeiras saídas de casa, ficou chateado com o pai excessivamente cuidadoso, afastou-se do local, foi capturado por um pescador e acabou em um aquário.

No desenrolar do filme, enquanto Nemo bola planos para escapar do aquário, seu pai – Martin – cruza o oceano para resgatá-lo.

A trama e a qualidade das imagens prendem a atenção das crianças e dos pais.

Ao pronunciar o nome do peixinho perdido, alguns adultos lembram de outro Nemo mais antigo. Lembram do Capitão Nemo, personagem do livro de Julio Vernes, chamado Vinte Mil Léguas Submarinas. O Capitão Nemo era o comandante do submarino Nautilus.

Nesse livro, o personagem Arronax narra fatos acontecidos quando o governo americano envia o navio Abrahan Lincoln aos oceanos Atlântico e Pacífico para uma caçada desenfreada pelo que acreditavam ser um monstruoso cetáceo.

Os aventureiros descobriram que, na verdade, não existia nenhum cetáceo gigante, e sim o poderoso Nautilus, uma embarcação submarina capaz de se locomover nas águas profundas dos oceanos. O submarino era movido a eletricidade obtida a partir do sódio retirado da água do próprio oceano.

O Capitão Nemo, comandante do submarino, era uma pessoa culta, preocupada com os destinos da humanidade. Descontente com os caminhos tomados pela sociedade do século XIX, decidiu utilizar seus vastos conhecimentos para construir um submarino elétrico e viajar pelos oceanos do mundo. O gosto do Capitão Nemo pelas letras foi realçado pelo autor quando ele escreveu que o submarino possuía uma biblioteca de centenas de livros.

Júlio Vernes, que viveu de 1828 a 1905, é considerado o percursor da literatura de ficção científica.

A ficção científica é um gênero literário que trabalha com conceitos imaginativos relacionados com o futuro. Baseia-se em fatos científicos e reais para compor enredos ficcionais.  A ficção científica, em geral, contém uma extrapolação cuidadosa e bem-informada de fatos, princípios ou tendências científicas, mesmo quando a ciência apresentada nos enredos ainda requeira maiores confirmações.

Os escritores de ficção científica costumam antecipar o uso de tecnologias e muitos livros até indicam caminhos que são seguidos pelos pesquisadores.

Ao descrever o funcionamento do Nautilus, Julio Vernes antecipou o uso do submarino em águas profundas. Quando o livro foi escrito, ainda era impossível construir um submarino capaz de aguentar altas pressões e viajar em águas profundas.

O primeiro submarino de que se tem notícia foi construído pelo inventor alemão Cornelis Drebbel, em 1620. Consta que era apenas um barco coberto de couro, que conseguia atingir a profundidade de 4,5 metros. Em 1776, o inventor americano David Bushnel construiu um submarino que foi utilizado na guerra da independência dos Estados Unidos.

O funcionamento do submarino é baseado no enchimento e esvaziamento dos tanques de lastro. Esses tanques permitem à embarcação mergulhar e voltar à superfície. Quando os tanques de lastro são cheios de água, o submarino adquire o peso necessário para submergir. Na hora de voltar à superfície, a água dos tanques é substituída por ar. Isso torna a embarcação leve o bastante para flutuar.

Os submarinos se movimentam graças a motores a combustível, baterias ou fontes de energia nuclear.

O primeiro submarino movido a energia nuclear, lançado pela marinha americana, em 1954, foi batizado com o nome de USS Nautilus.

A lembrança do nome Nautilus para o batismo do submarino nuclear e a escolha do nome Nemo para o peixinho protagonista do filme são indicadores de que as ideias de Júlio Vernes continuam circulando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *